sábado, 30 de julho de 2011

Meu Deus! Sou bipolar! ... E agora?




Meu Deus! Sou bipolar! E agora?


Muitos vêem este transtorno como um bicho de sete cabeças! Mas não! Tem apenas uma mesmo, e que pode ser controlada! E com acompanhamento por especialista, a pessoa pode ter uma vida normal em todos os aspectos!

O que é necessário e importante ressaltar aqui é que a bipolaridade não é como uma gripe ou virose (outra modismo da medicina atual... tudo é virose), que você espirra, teve coriza, febre por 3 dias, já se autodiagnostica e está tudo bem, tudo certo, toma os analgésicos e antigripais e pronto! Muitas pessoas sequer vão a um médico para conferir se é mesmo gripe ou não. No caso da bipolaridade, ou transtorno do humor bipolar (que como o próprio nome já diz, tem 2 polos distintos), faz-se necessário um diagnóstico de um médico especialista; no caso, um psiquiatra! Mas calma! Sem alardes! Era costume na década de 80 e 90 achar que psiquiatra era apenas para pessoas ditas 'doidas'; bem como psicólogo era um sujeito aluado, viajado, que iria viajar nas suas viagens! E para ir a um psicólogo era necessário estar deprimido, e estar deprimido era estar sem comer nada e chorar o dia inteiro!

No caso do THB, ou simplesmente Bipolaridade, o especialista precisará analisar uma série de sintomas combinados, como por ex: euforia; excitabilidade; idéias e idéias infinitas; sensação de 'poder fazer tudo o que quer', pois para o bipolar não existem limites para nada! Perde a paciência ao se deparar com a limitação de outras pessoas (ou para o bipolar esta limitação é pura burrice!), e isto lhe causa frustração e irritabilidade! Muitas vezes os assuntos não acabam nunca, e o sujeito pula de um para outro assunto com um estalar de dedos! Esta fase é conhecida como a fase da "mania", quando a pessoa está 'UP' para o que der e vier! Passados alguns dias, como se 'do nada' a pessoa não quer sequer acordar, para não ter que iniciar mais um dia de vida! Aliás, para que viver? O mundo perde a cor e a beleza! Tudo é cinza! Nada mais tem sabor, nada tem gosto, nada pode dar-lhe prazer. Esta é a fase depressiva, a fase 'DOWN'... Estas fases se intercalam e duram algum período!

Ocasionalmente a bipolaridade é "despertada" por algum 'gatilho', ou trauma, que leva a pessoa (que já é predisposta geneticamente ao THB) a apresentar as crises! É importante deixar claro que TODO MUNDO tem seu momento triste na vida, seu dia depressivo; também o seu dia brilhante, quando tudo dá certo, e daí você até se pergunta se dormiu de bunda virada para a Lua, para tudo ser tão 'ok' no seu dia! Isto é normal! E não quer dizer exatamente que trata-se de Depressão Maníaco-Depressiva (outro nome para Bipolaridade).

No caso de diagnosticado o transtorno, ele pode e deve ser controlado! Com uso de medicamentos prescritos por médicos psiquiatras, e com acompanhamento de psicólogos... e com o tempo passando, a pessoa passa a identificar e controlar as fases UP e DOWN, e geralmente ficam fazendo uso de um medicamento apenas para manutenção do estado equilibrado! E só! A partir daí é viver normalmente! Como qualquer outra pessoa vive! Apenas você tem um "plus" que algumas pessoas com quem você convive não tem, e outras tem e não sabem! Ou outras têm, sabem que têm, e já se tratam, e você sequer percebe as crises ou transtorno, por esta pessoa já estar na fase de manutenção, no controle!

Agora nada de ficar dando 'pitis' por aí, ser irresponsável e depois justificar isto com "Ah, sou bipolar e estou em crise!"; ou acordar triste e dar a si mesmo a explicação de sua tristeza ou frustração como causada pela bipolaridade! Repito: Todo ser humano tem seu dia bom e seu dia ruim! É normal! Não se veja como coitadinho/a, nem queira que os outros te vejam assim por você ser bipolar! Não! Você não olha para uma pessoa que tem diabetes e por isto necessita controlar sua taxa de açúcar e algumas vezes usar insulina para controlar suas taxas, com um olhar de "Oooooooooh... tadinho/a! Ele/a é diabético/a. Vamos ceder o assento no ônibus!"...

Não! Isso não! A pessoa é uma pessoa normal! Como qualquer outra! Basta controlar suas taxas de açúcar, ou suas crises e ataques bipolares. De resto, a vida e Deus cuidam para que as coisas fluam natural e normalmente! Certo?! Sejamos felizes todos, tendo ou não bipolaridade, diabetes, miopia, hipermetropia, astigmatismo, enfim... seja qual for o seu "plus"!



Flávio Augusto Albuquerque


*PUBLICADO ORIGINALMENTE EM 30/07/2011 NO BLOG: http://flavioguto.blogspot.com*

terça-feira, 26 de julho de 2011

"HOJE NÃO QUERO ESCREVER SOBRE NADA"

Ah, estou meio perturbado! Não quero escrever hoje, sobre absolutamente nada! Não estou com saco, não estou com ideia nenhuma em mente, não estou com ânimo! ...

Além disso dá muito trabalho! Não é só chegar, sentar na frente do PC e as letras pularem dos dedos pras teclas e das teclas pro texto e irem formando algo! Tem que pensar num tema, criar uma ideia básica sobre este tema, colocar numa ordem cronológica, obedecer a coesão e a coerência, ter cuidado com o "politicamente correto"... Seria mais ou menos como fazer uma experiência com sementes de feijão ou de milho... coloca mais Nitrogênio; menos água; faz a medição de amônio, nitrato... enfim! É complexo. Bem mais complexo do que vocês lerem o texto pronto!

Hoje, por exemplo... Eu estou sem ideia! Alguém tem uma sugestão? Qual? Não! Esse tema eu abordei mês passado, mas obrigado!... Vamos gente, ajuda!

É está difícil! Eu acho que não é a falta do que escrever, mas o excesso! Já pensou no mundo que temos à nossa volta? Cachorros latindo; gatos mijando nos capins; os pássaros "em pé" se apoiando nos fios dos postes, sem levar choque (você já parou para pensar por que eles não levam choque? eu sei o por quê.); as pessoas andando atrasadas, outras que mal acordaram; as nuvens que passam rápido ou devagar; o trânsito lento; o estresse dos motoristas e motociclistas; os buzinares; as lojas abrindo cedo; as lojas abrindo tarde; a troca de turnos em estabelecimentos que nunca fecham... e dentre tudo isso, as pessoas... cada uma com seu mundo. Uma pensa nas dívidas (esta pessoa sou eu); outra pensa "que saco ir trabalhar"; outra "já estou saindo tarde de casa"; outras com TOC pensando se fecharam a porta de casa e se desligou a válvula do fogão... Tantas cabeças, tantos mundos, tanta complexidade!

Como escrever sobre algo assim? Sobre o mundo! Sobre cada mundo dentro de cada ser! Das coisas simples às coisas complexas, e até coisas que nos passam despercebidas... É complexo! Muito difícil!

Por isto que hoje eu decidi: "Não quero escrever sobre nada!"


Flávio Augusto Albuquerque

*PUBLICADO ORIGINALMENTE EM 26/07/2011 EM: http://flavioguto.blogspot.com*

domingo, 17 de julho de 2011

Divagações sobre...: "AMOR"



O amor. Não...! Mais uma vez. Com a devida intensidade: O AMOR!

Alguém se arrisca a definir o que é o amor?

No dicionário diz que amor é "um sentimento que predispõe alguém a desejar o bem de outrem; sentimento de dedicação absoluta de um ser a outro, ou a uma causa; inclinação ditada por laços de família; inclinação sexual forte por outra pessoa (achei que isto tinha outro nome: tesão, por ex); apego profundo a valor, coisa ou animal; devoção extrema; ..."

Mas será que o amor se restringe "somente" a isto mesmo? Ou seria esta definição já uma superestimação deste sentimento?

Eu sei que atualmente, e desde o início do meu entendimento como gente, através das leituras que já fiz, amor e paixão ainda um tanto que se confundem. Não somente para quem está sentindo, mas também para quem tenta separar os seus significados.

Uns dizem que amor, só o de mãe! Alguns defendem que o homem ama mais; outra parcela acha que somente a mulher é quem ama de verdade!... Outros dizem que o amor vem de Deus; outros dizem que Amor e Deus seriam a mesma coisa!

Pois bem... Sendo Deus e Amor a mesma coisa, então por qual motivo ficamos tão desnorteados, irracionais, ensandecidos, quando estamos amando? Será que Deus é desnorteado, sem razão, ensandecido? Ou só ficamos assim quando estamos "apenas" apaixonados?

"O amor é cego.", assim dizem! E por que então ele não usa "um cão-guia"? Ou "uma bengala"? Será que o amor sabe ler em braile? Se houvesse cirurgia capaz de devolver a visão a este sentimento... será que ele deixaria de ser amor? O que seria então? Ódio? Dizem que o ódio é o contrário do amor, com tanta força, cegueira e sandice quanto este.

Opa! Então espera um pouco... O ódio também é cego?! Então o amor curado da cegueira não pode ser o ódio. De volta ao ponto '0'...

Vamos pensar... Como é o amor? O que ele gosta de fazer? Como se faz para cuidar do amor e não deixá-lo morrer? Do que ele se alimenta? Como ele se diverte? E se ele adoece? Qual médico cuida de amor? Nenhum. É! Acho que não existe médico que cuide da doença do amor! Mas eu ouvi dizer que o amor nunca morre...! Será? Também ouvi dizer por aí que o TEMPO cura "tudo", até o mal do amor. Será que o tempo então é o médico do amor? Pode ser que sim...

Mas o que fazer então para conservar o amor sempre saudável, para evitar que ele adoeça e possa nos levar "à morte" junto com ele? Antes de saber responder à esta pergunta, precisamos definir o que é o amor de verdade!

Creio eu que o amor tem 'uma cara', 'um perfil diferente para cada tipo de pessoa'... Cada um ama ao seu modo... uns demais, outros de menos; uns frios, estes mais susceptíveis a ter seu amor em estado de coma induzido; outros fervorosos, com tanto afinco em manter a chama acesa que às vezes, injustamente, terminam queimando a si próprios.

Para mim, o amor não se parece com ninguém, não se parece com nada; amor não tem cor; amor não tem sexo; amor não tem peso; amor não tem idade; amor não tem tamanho; amor não tem condição para amar; amor não tem preço; amor não tem definição! Acho que quando chegamos no ponto de não saber usar palavras para definir o que sentimos... é nesta hora que estamos amando! Quando buscamos uma razão, uma condição, um 'porquê gostar de alguém' e não sabemos dizer, apenas sentimos... este, sim! Este É O AMOR!



Flávio Augusto Albuquerque


*PUBLICADO ORIGINALMENTE EM 17/07/2011 NO BLOG: http://flavioguto.blogspot.com*

sexta-feira, 8 de julho de 2011

Somente Divagações...



"Não me julgue. Não queira me entender. Não queira estar onde estou!... É fácil estar aí do lado de fora e apontar... difícil é estar aqui no meu lugar! Você certamente não suportaria a dor da pressão!... E não precisa se dar ao trabalho de pensar sobre isto... eu acho que me resolvo como sempre fiz: sozinho."

"Sir F. Augustus"



*PUBLICADO ORIGINALMENTE EM 08/07/2011 NO BLOG: http://flavioguto.blogspot.com*

quinta-feira, 7 de julho de 2011

Por detrás do corpo, jaz uma pessoa!



"Nível Universitário. Jovem oferece seus serviços de acompanhante executivo:

R$ 50,00 - Serviço Básico
R$ 80,00 - Serviço Básico + Extra I
R$ 150,00 - Serviço Básico + Extra II
R$ 250,00 - Serviço Básico + Extra I + Extra II, pego na sua mão e ainda digo que te amo!"

Anúncios similares a este são veiculados toda semana nos principais jornais dos estados, de todo o país!

A razão pela qual homens e mulheres (nem sempre maiores de idade) buscam os jornais como meio de divulgação de seus serviços, nem sempre é o mesmo. Porém, é fato que a grande arte e labor do velho e do novo meretrício permanece neste mundo há mais de dois mil anos! É considerada a profissão mais antiga que existe, e se mantém atualizada a cada dia, a cada semana, por anos e anos, e possivelmente perdurará por gerações e gerações adiante.

Mas o que faz uma pessoa buscar tal ofício? Falta de dinheiro? Baixa auto-estima? Ajuda dos custos que tem para sobreviver? Pura safadeza? Vida "fácil"? O que faz uma mãe de um adolescente, por exemplo, buscar este "meio de vida"? Ou mesmo uma jovem e belíssima garota, que é casada, tem uma filha linda, tem seu trabalho diurno como vendedora de loja de roupas em um grande centro de compras, trilhar por este caminho (com ou sem o consentimento do marido)? Um rapaz (modelo de passarela e fotográfico), vender seu corpo em outra cidade... O que pensarão seus filhos ao crescerem? O adolescente será que um dia irá esbarrar com a própria mãe em um prostíbulo?; Será que a filha verá na mãe o exemplo de meio para sobreviver e seguirá o mesmo caminho da mãe? O que se passa na cabeça dessas pessoas? Quais perspectivas de vida têm? Como se vêem daqui a 5 ou 10 anos?

São perguntas como estas, e outras questões e curiosidades que me movem a ir em busca de respostas! Em busca da pessoa por trás do corpo na vitrine... o "alguém" por trás da máscara de prostituta, do garoto de programa! Irei além, e descobrirei que por detrás do corpo exposto e "à venda" existe uma pessoa... uma pessoa com sonhos (destruídos ou não), com desejos de realizações, com ambições, com necessidades...uma vida! E tentarei responder à grande pergunta, que infelizmente poucos fazem e pensam sobre o assunto: "Por que escolher a prostituição como meio de vida?! Será mesmo uma escolha?"


Flávio Augusto Albuquerque

*PUBLICADO ORIGINALMENTE EM 07/07/2011 NO BLOG: http://flavioguto.blogspot.com*

*ATENÇÃO: DIREITOS AUTORAIS RESERVADOS!*

domingo, 3 de julho de 2011

A vida dos outros...


Descargas de neurosubstancias, impulsionadas por algum fato vivenciado por mim ou alguém próximo a mim, que gerou uma série de informações que, acumuladas ao longo do tempo, "explodiu" na forma de imagens que se alternam entre conexas e desconexas, mas que a mesma mente que guardou estas informações as transformou em "história" e interpretou como um momento em que fora vivenciado por ela mesma no exato período em que nosso cérebro está mergulhado naquelas neurosubstancias do início do texto e que culmina em toda essa definição de: "Sonho" ou "Pesadelo".

Algumas pessoas, por outro lado, preferem interpretar o "mundo dos sonhos" de modo mais simples: avisos, sinais, comunicação entre este e o "outro mundo", ou simplesmente como objeto de estudo, como Freud assim o fez.

O fato é que... nesta madrugada eu tive um sonho que me tirou da inercia do meu sono e do descanso da mente, para me levar a uma sensação péssima, angustiante... um verdadeiro pesadelo!

Pois bem... neste tal pesadelo eu tinha a nítida sensação de estar vivendo repetidamente a vida de outras pessoas... como se eu fosse apenas uma "energia de consciência" e que pudesse ficar pulando de mente em mente... assim podendo viver pelo menos instantes dessas vidas... Foi uma sensação muito ruim, e eu ainda sinto a agonia no meu peito, me chamando de volta para a realidade, para a minha própria vida, para a minha consciência, para que eu acordasse e desse um final naquela odisseia agonizante!

Como já é hábito meu, ao acordar, pus-me a pensar no que minha cabeça me "forçou" a ver e "viver"... naqueles possíveis segundos em que ela utilizou-se daquelas imagens para talvez tentar se comunicar comigo...

Bom, o sonho era basicamente sobre "parasitismo de humano para humano"; quando uma pessoa passa a viver a vida de outra pessoa e, por algum motivo, deixa de viver a sua própria, "pulando" assim de vida em vida, de pessoa para pessoa, de mente para mente...

O que eu pude perceber e extrair deste sonho é que existe realmente esse tipo de pessoa, que força a sua existência a uma limitada e cíclica vida de "parasita de vidas"... vivendo os sonhos dos outros, as conquistas de outras pessoas, e nos momentos de dificuldade deste "hospedeiro", é feita a troca da vida para outra que ainda tenha energia, que ainda tenha realizações, que ainda tenha sonhos a conquistar... para dar reinício à vida parasitária!

Uma curiosidade do pesadelo é que ele ocorria em sua grande parte dentro de uma grande casa escura, com muitos espelhos (que refletiam o lado obscuro das pessoas)!

Ufa! Ainda bem que foi um sonho! Mas um sonho muito cansativo e que vale a pena refletir sobre...


Flávio Augusto Albuquerque

*PUBLICADO ORIGINALMENTE EM 03/07/2011 NO BLOG: http://flavioguto.blogspot.com*