quinta-feira, 3 de março de 2011

Freud explica...não explica?


Eu estava triste, desolado, me sentindo sozinho... até que me disseram: "Poxa, porque vc não faz psicanálise? É um processo interessante de autoconhecimento! Vale a pena"...

Então pensei: "Por que nao?"

E lá estava eu na semana seguinte, na hora e no dia marcados, esperando minha vez de ser chamado... "Senhor, é a sua vez! Vamos?" Se tinha uma hora de sair, esta passou já, 30s antes dali, mas agora... era tarde, tinha que ir pro abate, digo, debate.

Mil dúvidas na cabeça... "Ela vai perguntar sobre minha roupa... vai achar que se eu estiver muito arrumado serei neurótico com organização... se eu me despentear e tirar a camisa de dentro da calça, ela vai me achar desleixado... qual o melhor? E na hora de sentar? Sento e cruzo as pernas? Fico com as pernas em paralelo? Cruzo os braços, ou deixo-os paralelo iguais às pernas? Se eu cruzar, os braços e pernas.... ela vai achar que eu sou uma pessoa insegura e fechada.... Se eu coloco os braços e pernas em paralelo então ela vai achar que sou metódico e tenho mania de perfeiçao e simetria..."
Alguém ouviu o que ela perguntou? Meu Deus, como fala essa psicanalista... era pra ela ouvir, não? Ah, ela só explicou a linha dela... É Freudiana... Sim... agora eu sou uma pessoa mais culta e mais feliz! Terminamos a sessão de hoje já? Não! E não mudou minha vida... Espera, tenho que prestar atenção no que ela diz!

Desculpa... ela perguntou meu nome ? Achei que isto era o básico na ficha dela: nome e idade. Bom, mas vamos lá! Tenho que me lembrar de descruzar as mãos. Disseram que era sintoma de insegurança. E inseguro eu não sou! Ou sou? Ah, minha família, se eu moro sozinho? Não. Moro com meus pais e minhas irmãs, e uma sobrinha! (acho que essa hora eu devo sorrir, ser simpático)....
O que eu gosto de fazer? Ah... gosto de... não, isto é só vez ou outra... como? Filmes? Sim, filmes é legal. É ... gosto de filmes. (minuto de silêncio... não aguento olhar pra ela calada. O que ela está pensando? Sabia! Ficar mexendo a perna era uma coisa ruim... agora ela pensa que eu sou nervoso! Que droga! Calma... relaxa o rosto... calma...respira...) Água? Não. Quer dizer, sim! Por favor, um copo. (como se ela fosse me trazer mais de um... sorria...sorria que ela está vindo!)...

Ah, pergunta básica.... o que me trouxe até ela!? Ônibus, apesar de habilitado, não tenho carro! Aaaaaaahh... meu 'problema', ah... o que me incomoda, não é? Se em criança eu era assim? Não, eu era menor! Ahn? Ah, indeciso? (como assim? eu nunca fui indeciso, não fui!? Claro que não)...
Quanto tempo ainda de consulta...? Deve ter passado já uns... 10 minutos! Só? Ainda tenho meia hora... O que ela iria pensar se eu pedisse mais um copo com água e saisse da sala? Esta mulher me assusta... Fica falando e anotando as coisas... Que será que ela está escrevendo? Será palavras cruzadas? Eu gosto de palavras cruzadas!... Ahn, meu trabalho? Ah, sim. Trabalho com licitações! Sim, é legal. Quando dá a hora de largar! KKKkkk (acho que não pegou bem a risada)!

Se eu namoro? Não. Eu estava casado, mas nos separamos. Foi. Pois é. Foi triste! Oi? Se eu quero falar disto? (se eu disser que não, ela acha que eu estou fugindo do problema... se eu falo... ela vai achar que meu problema é a separação) ... Me dá mais um copo com água, por favor?

(...)
Oh... não não, eu achei que alguém tinha me chamado. Eu não ia sair não.. ainda temos .... (Ai meu Deus) quinze minutos de consulta, não é? Obrigado, pelo copo. Vou sim, vou beber.

Ahm? Meu texto? Ah, este. É fui eu quem escreveu. Foi sim; Como? Não! Não não! O personagem não sou eu, e ele gosta de cavalos porque nasceu numa fazenda! Zoofilia? Mas ele não... não! Ele é o herói do conto! Se eu tenho tendência a zoofilia, e por isso coloquei o cavalo na história? Não! (Ela é uma paciente louca... cadê a psicanalista de verdade?).
Nervoso? Ah, não! Estou suando porque está calor! Sim, mas eu estou com calor! Tudo bem, senhora, está frio para a sua temperatura habitual, mas está calor para mim! (De onde ela tira essas idéias?) Sim, meus pais e irmãs. E uma sobrinha, isto! Quê? Complexo de Édipo? Meu texto fala da tortura que fazem com equinos e bovinos! Se eu queria ser um cavalo ou um boi? Claro que não!
Ah... que pena! Mas já? Fica marcado então para continuar a conversa né? Claro, mesmo horário... sim! (cadê a minha lista de profissionais? Tenho que marcar um psicólogo para cuidar dos traumas que esta me deixou... sorria! sorria até sair do consultório...)

Adorei a consulta! Seu cartão? Claro! Pode deixar que vou repassar para todos. Meu texto... posso levá-lo? Não senhora! Eu tenho certeza que não tenho tendencias a zoofilia! Posso levar meu texto agora ou não?

Ok, boa tarde para senhora também!

(esses psicanalistas... deixam qualquer um maluco! eu hein... E eu que pensei que tinha problemas...)


(Flávio Augusto Albuquerque)


*PUBLICADO ORIGINALMENTE EM 03/03/2011 NO BLOG: http://flavioguto.blogspot.com*